top of page

The Legend of Zelda | TOP 10 jogos da franquia

Quase 40 anos de história


11. A Lenda de Zelda (1986, NES)

Fonte: internet

A Lenda de Zelda original é um testemunho do poder e do fascínio de vastos mundos de videogame expansivos, ele entra em nossa lista como menção honrosa por ser a origem da franquia mas não fica para trás como um bom jogo. Foi ambicioso o suficiente para jogar você diretamente no meio de um mundo infestado por monstros, sem ao menos uma arma para se defender, confiando que a emoção da exploração livre levaria os jogadores a investigar, experimentar e encontrar seu próprio caminho.


A Lenda de Zelda deixou de lado caminhos lineares e narrativa em favor da exploração aberta, que continua sendo iterada até hoje, e lotou seu mundo de masmorras e segredos que estimulavam os jogadores a compartilhar dicas e revelações com seus amigos na escola. Mesmo agora, ela passa no teste do tempo como um dos melhores exemplos de dar aos jogadores a liberdade de encontrar seu próprio caminho, aprender com os erros e dominar lentamente um estranho novo mundo. - Brendan Graeber


10. The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (2013. 3DS)

A Link Between Worlds foi uma surpresa agradável quando foi lançado pela primeira vez como um jogo para Nintendo 3DS em 2013. Inicialmente, foi desconsiderado como uma cópia pálida de A Link to the Past, mas os fãs ficaram surpresos e encantados com sua progressão não linear e o design de masmorra de alta qualidade. Longe de ser apenas uma imitação, A Link Between Worlds acabou se tornando uma das experiências mais envolventes e apreciadas de Zelda em anos. Devido a ser um jogo portátil, A Link Between Worlds tende a ser negligenciado quando se discute os melhores jogos de Zelda, o que é uma pena.


Embora seja, de certa forma, uma homenagem a A Link to the Past, apresentando muitos dos elementos originais, também se destaca por si só. A possibilidade de enfrentar as masmorras em qualquer ordem sugere a direção que Breath of the Wild seguiria alguns anos depois, e sua história é surpreendentemente emocional, com uma revelação maravilhosa no final que encantará os fãs. Como uma homenagem ao clássico Zelda, A Link Between Worlds é uma verdadeira joia. - Kat Bailey


9. The Legend of Zelda: Link's Awakening (1993. Game Boy, 2019 Remake. Switch)

Fonte: Nintendo

The Legend of Zelda: Link's Awakening cria uma das histórias mais únicas da franquia Legend of Zelda. O mundo, os personagens e a história se aventuram fora dos caminhos conhecidos e têm sucesso sem depender de locais ou personagens como Zelda e Ganon, que normalmente são esperados de aparecer.


Vimos três versões de Link's Awakening, e cada uma delas adicionou melhorias à fórmula, tornando essa entrada na lista ainda melhor. A versão DX incluía uma masmorra adicional e preenchia o mundo com cores vivas. O remake de 2019 levou isso adiante com um estilo de arte atualizado para seus personagens, mundo e visuais gerais que deram vida aos momentos emocionantes da jornada de Link como nunca antes. Novas adições, como a "Chamber Dungeon", acrescentaram replayability, permitindo criar e explorar masmorras personalizadas e compartilhá-las com nossos amigos.


Link's Awakening é uma homenagem à franquia com suas masmorras, quebra-cabeças e música, que se tornaram a base para muitos dos futuros jogos de Zelda. É um dos jogos mais simples da franquia, mas a maestria da jogabilidade e os elementos essenciais do que significa ser um jogo de Zelda tradicional é o que o torna especial para os fãs da série Legend of Zelda. - Jada Griffin


8. The Legend of Zelda: The Wind Waker (2002. Gamecube)


O tempo tem sido gentil com The Legend of Zelda: The Wind Waker. Embora alguns fãs tenham reagido com desagrado ao seu estilo cartunesco e cel-shaded após a promessa de abordagens mais maduras para a franquia, o vibrante e colorido mundo de The Wind Waker é agora mais amplamente aceito por sua beleza e singularidade na representação de Hyrule. Sim, há muito oceano para navegar, e mesmo com as melhorias feitas no relançamento de The Wind Waker para o Wii U, a navegação em longas viagens pode tornar a experiência um pouco arrastada. Mas a navegação, quando funciona bem, é uma experiência zen, uma sensação de liberdade que Zelda tem frequentemente aprimorado tão bem ao longo da série.


Explorar novas praias e não saber exatamente o que esperar em cada nova ilha, seja masmorras emocionantes, civilizações intrigantes ou algo completamente diferente, The Wind Waker captura essa sensação de mistério emocionante a cada novo capítulo, apresentando uma história surpreendentemente sombria e fascinante que está entre as melhores histórias contadas em toda a série. Acrescente a isso um combate familiar, mas sólido, que torna cada golpe impactante, um elenco de personagens cativantes, conhecidos e novos, e, como sempre, uma trilha sonora envolvente, e The Wind Waker não apenas preenche os requisitos básicos de Zelda, mas também explora novos territórios em uma das aventuras mais memoráveis da série. - Jonathon Dornbush


7. The Legend of Zelda: Minish Cap (2004) - GBA

Fonte: Nintendo

O único jogo original e completo da série Zelda para o Game Boy Advance é The Minish Cap. Apesar de ser um pouco curto, com cerca de 16 horas de campanha, e de ter um sistema um pouco repetitivo envolvendo as pedras mágicas Kinstones, esse jogo é incrível.


Minish Cap, apesar de seguir o formato tradicional de Zelda, traz a novidade de explorar um mundo paralelo como uma versão diminuta do Link, graças ao chapéu/item/companheiro de aventuras Ezlo. Este é um jogo extremamente adorável e envolvente. Seu visual funciona muito bem no GBA, com uma das melhores pixel arts da série. Além disso, o conjunto de dungeons, apesar de um pouco fácil, é um dos mais inventivos da franquia, rivalizando com os jogos em 3D.


6. The Legend of Zelda: Twilight Princess (2006. Wii, Gamecube)

Fonte: Nintendo

Twilight Princess é injustamente criticado entre os fãs de Zelda. Sendo o Zelda mais sombrio e ousado, frequentemente recebe comparações desfavoráveis com The Wind Waker, que talvez tenha envelhecido melhor em comparação. Mas escondida sob todas as críticas está uma aventura de qualidade de Zelda, com um grande mundo para explorar, muitas missões secundárias agradáveis e ótimas dungeons, destacando-se as Snowpeak Ruins. No entanto, o elemento mais forte de Twilight Princess é, de longe, Midna, uma pequena criatura sarcástica que anda nas costas do Link em sua forma de lobo e basicamente o provoca durante todo o jogo.


Ela é uma companheira muito mais cativante do que a irritante Navi, e sua história está firmemente ligada ao mundo e à mitologia de Twilight Princess. Ela dá a Twilight Princess um estilo único - um estilo que merece mais respeito do que tem recebido ao longo dos anos. Não é o suficiente para colocá-lo no topo dos lançamentos de Zelda - o excesso de conteúdo no jogo é grande - mas ainda é uma entrada de qualidade com muito a oferecer à mitologia de Zelda. - Kat Bailey


5. The Legend of Zelda: A Link to the Past (1991. SNES)

Fonte: Nintendo

Partindo do vasto mundo top-down de Hyrule de The Legend of Zelda, A Link to the Past aprimorou o escopo ao trocar uma aventura livre por uma história envolvente, um mundo denso e populado, e a grande revelação de uma dimensão espelhada igualmente expansiva que era o Mundo das Trevas. É uma aula magistral em design de jogo de aventura, com uma história grandiosa e ritmada, e uma grande variedade de dungeons repletas de quebra-cabeças e chefes imponentes.


Com uma trilha sonora empolgante e belos gráficos em sprite, A Link to the Past foi o pacote perfeito para mergulhar no mundo de Hyrule, apresentando muitos personagens peculiares para ajudar, bem como segredos e fragmentos de coração escondidos em quase todas as telas. Cada novo item obtido em sua aventura praticamente implorava por experimentação para encontrar novas aplicações ao explorar suas masmorras habilmente construídas ou descobrir novas áreas no mapa do mundo. Mesmo depois de todos esses anos, é difícil encontrar uma experiência de Zelda mais emblemática. - Brendan Graeber


4. The Legend of Zelda: Majora's Mask (2000. N64)

Fonte: Nintendo

Majora's Mask é mais conhecido por adicionar um controverso limite de tempo de três dias que você pode amar ou odiar. Isso é intrínseco ao ciclo central do jogo, permeando o mundo, o comportamento dos NPCs e as missões secundárias. Ele nos incentiva a otimizar e priorizar a administração do tempo para realizar o máximo possível em cada ciclo de três dias, antes de tocar a Canção do Tempo e recomeçar novamente.


Muitos dos personagens e itens de Majora's Mask foram reutilizados, mas retrabalhados e ampliados para torná-los mais cativantes e influentes do que em suas aparições anteriores. Máscaras e outros itens foram aprimorados e colocados no centro da história em desenvolvimento. As pessoas do mundo se tornaram parte integrante do avanço dos elementos da história e suas subtramas. O próprio tempo e a sua fiel ocarina tornaram-se uma ferramenta necessária para evitar a destruição de Link e de todos os habitantes de Termina, se administrado de forma inadequada.


Majora's Mask continua sendo uma das entradas mais sombrias da franquia e lida frequentemente com temas mais pesados, como abandono, trauma e morte, o que o diferencia de outras entradas da série. Embora nem todos tenham amado o limite de tempo e os tons mais sombrios, ele impulsionou a franquia para frente e nos deu uma nova perspectiva nas aventuras do nosso Herói do Tempo. - Jada Griffin


3. The Legend of Zelda: Ocarina of Time (1998. N64)

Fonte:Nintendo

The Legend of Zelda: Ocarina of Time ocupa o primeiro lugar na lista dos melhores jogos do Nintendo 64 já feitos, o que é testemunho da qualidade geral dos jogos de Zelda da Nintendo, já que Ocarina of Time "apenas" chegou em terceiro lugar aqui. Quando foi lançado em 1998, Ocarina of Time definiu instantaneamente como seriam os jogos de aventura 3D nas décadas seguintes. Desde a câmera de mira que tornava a alternância entre a exploração e o combate individual uma tarefa simples, seus quebra-cabeças inovadores em 3D, até a maneira como os elementos essenciais da série, como o gancho e o arco e flecha, são implementados, Ocarina of Time é justamente lembrado como o melhor jogo de sua época.


Os jogos do Nintendo 64 nem sempre envelheceram bem, dada as limitações de hardware da época, mas Ocarina of Time continua incrivelmente jogável e envolvente até hoje. E, independentemente de estarmos falando do clássico original ou do remake atualizado para o 3DS, Ocarina of Time sempre permanecerá como a experiência definitiva de Zelda até o momento para muitos fãs. Ele pegou tudo o que funcionou em A Link to the Past e o traduziu quase perfeitamente para um reino tridimensional. O que nos leva ao jogo que superou Ocarina of Time para nosso painel de classificação de jogos de Zelda... - Peer Schneider


2. The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom (2023. Nintendo Switch)

Fonte: Nintendo

A última entrada na série Zelda está no nosso top 3. Embora a Nintendo tenha feito o seu melhor para melhorar em cima de seu fenomenal antecessor não foi capaz de superá-lo em nossa lista.


The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom é uma sequência inimaginável para um dos maiores jogos já feitos, aprimorando-o de várias maneiras - seja com melhorias simples à uma história genuinamente emocionante ou mecânicas de construção totalmente criativas. Ele revoluciona terras antigas e apresenta vastas áreas novas, tão imensas que chega a fazer-nos questionar se Breath of the Wild é realmente tão grande assim. A Nintendo seguiu um triunfo com outro triunfo, expandindo e evoluindo um mundo que já parecia completo além das expectativas e elevando a barra ainda mais alto, em direção às nuvens.


1. The Legend of Zelda: Breath of the Wild (2017. Nintendo Switch)

Fonte: Nintendo

The Legend of Zelda: Breath of the Wild reinventou uma série com 30 anos de uma forma raramente vista, e por isso está no nosso TOP 1 dessa lista. Após Skyward Sword oferecer uma campanha ligeiramente mais linear e orientada para a história do que a maioria dos fãs estava acostumada, Breath of the Wild ajustou-se dramaticamente na direção oposta. De repente, você poderia ir a qualquer lugar e escalar qualquer coisa na ordem que desejasse, e havia muitas opções para escolher.


Existem críticas justas a serem feitas a Breath of the Wild, sendo a mais comum a falta das tradicionais masmorras e itens de Zelda. Mas o que é realmente impressionante é como ele manteve o coração de um jogo de Zelda, mesmo alterando quase todos os sistemas ao seu redor. Em certa medida, Zelda sempre foi sobre exploração e escolha, e Breath of the Wild simplesmente abraçou e possibilitou esses aspectos, tornando o mundo um lugar que reagiria a essas escolhas também. Há tanto para ver, tantas pessoas para conhecer e segredos para descobrir escondidos nessa versão devastada de Hyrule.


Sempre houve uma certa distinção entre os jogos de Zelda 2D e 3D, mas Breath of the Wild e seus sucessores podem acabar definindo uma terceira categoria para a série no futuro. Independentemente de você preferir a natureza mais estruturada dos jogos principais anteriores, o impacto que Breath of the Wild teve tanto em Zelda quanto na indústria como um todo é indiscutível - e as inúmeras descobertas mágicas e naturais que ele proporciona tornam fácil entender o motivo. - Tom Marks

Siga nossas redes sociais e inscreva-se em nosso Canal no Youtube!

0 comentário

Comentários


bottom of page