Star Wars: Ascensão Skywalker | Crítica SEM SPOILERS

A maior saga de ficção científica e fantasia que a galáxia já conheceu chega a uma conclusão emocionante, cheia de ação de tirar o fôlego e extremamente divertida.


É uma brincadeira de arrepiar, repleta de apelo entre gerações, que é garantidamente outro sucesso de bilheteria para a Disney, e é usinada mecanicamente pelo diretor J.J. Abrams em seu estilo típico de velocidade da luz para agradar dos fãs mais hardcore aos espectadores casuais.


Star Wars: A Ascensão Skywalker é objetivamente um bom filme de Star Wars. Se você é um verdadeiro fã de Star Wars, que não é extremista ou pôser, isso é tudo o que você precisa saber. Se, no entanto, você faz parte da mídia social e da turma geral - espere, será um passeio com alguns acidentes.


O que queríamos ver! Finalmente Rey em seu treinamento Jedi.

A principal coisa que particularmente senti emergir deste Episódio IX foi a necessidade de recuperar o fôlego. O filme se move a uma velocidade vertiginosa, o que é impressionante, considerando sua duração de duas horas e meia. Este filme nunca fica parado: nossos heróis - e vilões - estão sempre se movendo, sempre à beira de uma catástrofe, sempre falando rápido o suficiente para tornar incompreensíveis os pontos mais finos da trama, sempre salvos no último segundo por alguma reviravolta. Não há uma pausa ou um momento de tédio, e a primeira metade é frenética, cheia de movimentos e exposições, enquanto você luta para se lembrar de qual era a missão antes que todos saíssem de cena novamente. Isso pode se tornar cansativo - é difícil sentir que as apostas são reais quando quase certamente podemos esperar que alguém salve o dia e que outra pessoa forneça um objeto difícil de encontrar ou descubra uma solução impossível em um momento improvável. Essa é uma maneira eficaz de mantê-lo à beira do seu assento, mas me fez desejar que o público e os personagens tivessem um pouco mais de espaço para respirar.


Mesmo assim, a sensação de estar em um terreno constantemente irregular é emocionante. Um ritmo tão rápido é necessário para se encaixar em tanta atividade, e há muita atividade neste episódio final. Existem peças gigantescas, planetas distantes e mundos ocultos, mercados, cantinas e o interior de muitas naves de guerra. Existem muitas raças alienígenas de várias cores, produzidas através de efeitos e maquiagem de alto nível. Existem muitos planos desenhados a esmo com objetivos confusos. No fundo, senti que o filme também deve um pouco a outra franquia famosa de Harrison Ford - sim, o longa se entrega em alguns momentos a uma pegada bem Indiana Jones, mesmo que uma busca central para descobrir um objeto que leve a outros objetos, seja muito mais difícil de movimentar nossa mente. Jogadores no tabuleiro.


Os fãs hardcore de Star Wars ficaram indignados quando foi revelado que Rey não era um membro da família Skywalker (Imagem: Lucasfilm Ltd.)

Em última análise, a trama ou plausibilidade dos cenários não importa muito, porque não estamos aqui para uma progressão linear contínua ou pensamento lógico em nossa ópera espacial, estamos aqui para ver os personagens que amamos há muito tempo e aqueles novos que conhecemos nesta nova trilogia. E nos momentos dos personagens, este filme oferece, tanto para o bem quanto para o mal.



Há  FanService aos montes! O diretor J.J. Abrams não economizou para os fãs de Star Wars das antigas, é uma verdadeira saraivada de Easter Eggs para os fãs mais Old School da franquia. Por outro lado, os fãs dos novos heróis Rey, Finn e Poe (interpretados pela robusta Daisy Ridley, o sério John Boyega e o carismático Oscar Isaac), ficarão emocionados ao saber que o trio de ouro finalmente passa mais tempo juntos, com muito mais sintonia e conectividade. Vamos lembrar que eles foram totalmente separados em Os Últimos Jedi , e são muito mais fortes como uma unidade; é uma equipe adorável e unida, mesmo com seus atritos internos, é legal ver os três juntos em tela.


Os três mais unidos são mais fortes do que nunca.

Também há muito o que fazer aqui, com Kylo Ren (Adam Driver), o cara alto, xiliquento, corrompido e cheio de conflitos internos. O filme é dividido mais entre as perspectivas de heróis / vilões do que estamos acostumados a ver em Star Wars. E, é claro, há momentos preciosos e super emocionantes no filme com a general da resistência Leia Organa (Carrie Fisher). A morte de Fisher e a necessidade subseqüente de usar filmagens e truques de edição para incluir Leia na trama, sem dúvida moldaram a direção dessa história. No fim das contas, ela recebeu um lugar de honra legítimo e respeitoso, gostei bastante.


Basicamente o filme traz Rey, Finn, Poe e seus amigos dróides procurando algo importante, enquanto Kylo Ren está constantemente tentando impedi-los, enquanto isto problemas bem maiores espreitam nas sombras, ao mesmo tempo que amigos antigos e novos se juntam à luta final.



Rey e Kylo Ren em um dos seus confrontos no longa.

Meus maiores problemas com Os Últimos Jedi foram as tramas paralelas que não pareciam acrescentar muito à narrativa, e a sensação de que alguns personagens estavam “fora do personagem”. Meu maior problema com O Despertar da Força era que parecia que alguém estava passando por uma lista de verificação: "Como fazer um filme de Star Wars" e cruzando cada cenário um por um. A Ascensão Skywalker parece mais seguro e inspirado, e agora os personagens ganharam tempo de tela suficiente para fazer a gente se preocupar um pouco mais com eles.


Sou um fervoroso fã de Star Wars, mas nunca senti uma conexão emocional forte e concreta com os novos filmes da era Disney. Bem, dito isto, este é provavelmente o meu filme favorito da trilogia. Ele diverte, ao mesmo tempo em que puxa incansavelmente as cordas do coração e liga o sistema hidráulico. Chorei no segundo tempo, principalmente na cena final antes dos créditos. É difícil não sentir que este filme é um adeus comovente e válido para um ambiente em que tantas gerações diferentes cresceram imersas, mesmo que tudo seja encenado ao máximo para evocar essa pungência.


Se não fosse uma revisão sem spoilers, há milhares de pontos e decisões que eu gostaria de discutir aqui com vocês meu nobres amigos, mas esse não é o espaço para isso (Vamos deixar pro nosso Review no Youtube). Então, dando um passo atrás para olhar o filme como um todo, posso dizer que é uma experiência satisfatória - às vezes surpreendente, ainda mais interessante quando não se esforça demais para surpreender, permitindo que os personagens sejam eles mesmos e descubram novas facetas de quem eles podem ser.


Finn retorna à ativa no episódio IX.

Outro ponto que ficou bem claro, foram as decisões de Abrams neste filme. O diretor se esforçou para desfazer muitas das decisões e caracterizações decisivas de Johnson em Os últimos Jedi. Onde Johnson colocou pontos, Abrams rasgou, onde antes um sabre de luz havia sido jogado pra trás sem a mínima importância, neste filme ele já é tratado com mais respeito e cuidado, como deve ser tratada a arma de um JEDI. A Ascensão Skywalker começa essencialmente como um quadro em branco, o que certamente irá agradar os que não gostaram de Os últimos Jedi. Exceto pelo fato das várias cenas e momentos quem dependem totalmente de Rey, que é uma garota, e infelizmente ainda podem haver pessoas que tenham problemas com isto. Adoro a idéia de uma nova geração crescendo com uma mulher Jedi como sua principal heroína, e outra como a líder capaz e adorada da Resistência. Me desculpem os grupos seletos que ainda gritam nas redes sociais que este filme é uma espécie de "Star Wars da Lacração", não! Não é.



Rey frente a frente com Darth Sidious, ou Tio Palpatine para os mais íntimos.

Algumas das maiores reviravoltas do filme já foram previstas há muito tempo, se você prestar atenção a esses tipos de previsões, e eu tenho problemas com várias delas que, sem dúvida, falarei nos próximos vídeos em nosso canal no youtube. Em resumo, embora eu não concorde com algumas das escolhas de J.J.Abrams, também posso ver por que elas foram feitas. Mesmo que os caminhos que Abrams tomou neste filme pareçam rochosos e questionáveis para alguns espectadores, ele preenche todas as caixas de Guerra nas Estrelas e envolve a maioria das coisas necessárias, dando um final digno a essa nova trilogia. É eu sei, para mim também é difícil acreditar que chegamos ao fim da linha, porém com o advento da Disney +, nos conforta um pouco mais, sabendo que iremos ter muito mais de Star Wars pelos próximos anos.


Acho que levará mais alguns dias e talvez até mais algumas idas ao cinema para processar completamente como me sinto sobre este capítulo final. Pois, ainda há espaço para muitas outras histórias serem contadas nesta galáxia em particular.










Siga nossas redes sociais e inscreva-se em nosso Canal no Youtube! Twitter: @realcanalbang

Instagram: @canalbangoriginal

Facebook: http://facebook.com/canalbangoriginal

PodCast: http://canalbang.podomatic.com




  • Twitter Clean
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube
  • Facebook Clean
bannerPropaganda1.jpg

DISCLAIMER

O Canal Bang ​é um portal que tem como objetivo trazer as principais novidades sobre filmes, séries, livros, quadrinhos, games e tudo que envolve a cultura pop. De uma maneira descontraída, inteligente e cheia de carisma, você pode assistir nossos vídeos semanais em nosso canal do Youtube, ouvir nossas críticas e debates polêmicos em nosso podcast, e saber das notícias que envolvem o universo nerd ao vivo em nosso programa na TV MAR (Canal 25 NET) toda Quinta às 12:30. Entretenimento de verdade, você encontra aqui, no maior portal nerd de Alagoas.

PARCEIROS

CinemaParceria.jpg
tvMarParceria.jpg
GazetaParceria.jpg
piticasCinzaSite.jpg
santoAmaro.png

CONTATO

+55 82 3028-6851

Maceió-Alagoas

  • YouTube - Canal Bang
  • Facebook - Canal Bang
  • Instagram - Grey Circle
  • Twitter - Canal Bang

© 2019 Canal Bang - Todos os direitos reservados

Cinema, Cultura e Entretenimento