top of page

One Piece | Por que a série funciona onde outras adaptações de anime falharam?

A adaptação live-action de One Piece da Netflix finalmente chegou e desafiou todas as probabilidades para se tornar uma adaptação de anime brilhante que funciona maravilhosamente onde outros falharam miseravelmente. Os co-criadores Steven Maeda e Matt Owens criaram uma série de aventuras fenomenalmente divertida que tem uma reverência legítima pelo amado material original de Eiichirô Oda. Em um subgênero que teve altos e baixos catastróficos, a recepção positiva de One Piece da Netflix é uma grande vitória.


Isso não quer dizer que One Piece da Netflix não tenha falhas e provavelmente não será a adaptação de mangá favorita em relação à infame série de anime de longa duração. Como acontece com qualquer adaptação, algumas ideias e conceitos serão alterados ou totalmente eliminados, e esse é o caso aqui. É uma pena que personagens como o cão de guarda do arco Orange Town não tenham contado suas histórias, mas os detalhes essenciais e as histórias principais que fazem One Piece um IP tão atemporal está sempre presente na série de ação ao vivo da Netflix. Melhor ainda, é também a rara adaptação de anime que agrada aos fãs mais dedicados, ao mesmo tempo que é divertida para o público não familiarizado com o material original. É um equilíbrio difícil que as adaptações de anime e mangá tenham historicamente enfrentado dificuldades para atingir.


As tomadas de ação ao vivo de histórias de anime amadas têm uma reputação notória que as precede. Alguns são tão ruins que são quase bons como o absurdo Dragonball Evolution. A maioria parece uma oportunidade completamente perdida de contar uma história convincente, como o equivocado Ghost in the Shell. No entanto, a Netflix tem sido tipicamente um dos piores infratores em más adaptações de anime.


Um excelente exemplo é Death Note, que pouco faz para contar adequadamente a história de um enredo tão sombrio e convincente. Apesar do elenco perfeito de Willem Dafoe como Ryuk, o filme Death Note de 2017 é uma bagunça confusa e visualmente sem inspiração que não consegue contar essa história trágica com graça. Esperançosamente, o próximo remake dos irmãos Duffer pode fazer justiça ao material de origem. Outra falha de ignição da Netflix é a série de ação ao vivo Cowboy Bebop. Este pelo menos acertou a aparência do programa neo-detetive, mas não tinha quase nada de personalidade ou charme.

Desde a primeira cena de abertura da série One Piece de ação ao vivo da Netflix, que retrata o momento histórico de introdução em que o Rei Pirata Gold Roger (Michael Dorman) é executado e os piratas do mundo procuram o trailer titular, fica bastante claro que a equipe de produção por trás da série teve imenso cuidado em dar vida a este mundo fantástico. Com um orçamento relatado de US$ 18 milhões por episódio, One Piece da Netflix é um dos programas mais caros já feitos. Com uma mistura impressionante de efeitos práticos e digitais, esse preço elevado não é desperdiçado.


Embora sim, o CGI é obrigatório para coisas como os poderes da Akuma no Mi de Luffy (Iñaki Godoy) e os monstros marinhos no oceano (ambos ficam ótimos na tela), a maior parte do One Piece da Netflix é surpreendentemente prático. Tudo, desde os enormes navios piratas até as diversas cidades apresentadas no show, são todos físicos e tangíveis, adicionando um nível extra de imersão a um mundo difícil de adaptar. A equipe de design de produção liderada por Richard Bridgland realmente merece muito crédito por seu trabalho detalhado e impecável. Todos esses elementos se combinam para uma série visualmente deslumbrante graças a cenários reais, navios reais, trajes reais, ação real e diversão real.


Falando em ação, esses cenários também são muito divertidos de assistir. Novamente, há muita ação física e acrobacias em vez de espetáculo CGI, fazendo com que as sequências pareçam cruas e viscerais. Também seríamos negligentes se não déssemos pelo menos uma menção à notável trilha sonora de Sonya Belousova e Giona Ostinelli, que possui melodias originais emocionantes, além de referências a temas clássicos.

Embora o conceito geral de One Piece seja bastante simples, ele segue o exemplo de outros programas de anime por ter muitos elementos bobos e irrealistas. Muitos creditam elementos como esse como as razões pelas quais as adaptações live-action falham, com os elementos fantásticos não sendo bem traduzidos. One Piece da Netflix não tem medo de exibir seus conceitos bizarros do anime original, sendo repleto de trajes inexplicáveis com temática de animais, dispositivos de comunicação baseados em caracóis e espadas e armas totalmente impraticáveis.


Por mais bobos que sejam esses conceitos, eles também tornam o IP especial e único. Traduzi-los não é fácil, mas talvez seja para um IP como One Piece, já que é um com um tom mais alegre e um senso de humor um tanto autoconsciente. O fato de esses personagens poderem gritar frases como “Gum Gum” e “Chop Chop” e não parecerem imediatamente a coisa mais cafona do mundo é um feito impressionante por si só.

Na verdade, uma grande adaptação não deveria ser 100% precisa. Se vai ser igual ao original, por que fazer isso? Ao adaptar uma história que já foi adaptada para um meio diferente, o objetivo deve ser encontrar um equilíbrio entre o material original que funciona e as mudanças que fazem sentido. One Piece passa nesse teste com louvor.


O enredo geral (menos alguns pontos não essenciais) é praticamente idêntico ao do anime e mangá originais. A jornada de Luffy para se tornar o Rei dos Piratas é mostrada aqui enquanto ele progressivamente encontra novos membros para a tripulação em Zoro (Mackenyu), Nami (Emily Rudd), Usopp (Jacob Romero) e Sanji (Taz Skylar). As mudanças ocorrem em grande parte através do ritmo da estrutura da história. Por exemplo, Arlong (McKinley Belcher III) é enquadrado como o principal antagonista de toda a primeira temporada e não apenas em seu próprio arco como no anime. Isso é demonstrado dando a ele uma conexão mais intrínseca com os vilões de outras temporadas, como Buggy, o Palhaço (Jeff War d), que é um destaque particular do show que realmente enfatiza seu tema de palhaço ainda mais do que o anime.


Talvez a maior mudança seja a introdução antecipada do vice-almirante Garp (Vincent Regan) e um papel muito maior para os cadetes da Marinha Koby (Morgan Davies) e Helmeppo (Aidan Scott). É um grande desvio, mas ainda funciona. Isso não apenas apresenta a conexão única de Luffy com Garp muito mais cedo, mas também inicia a amizade de Koby e Helmeppo muito mais cedo, uma vez que eles se tornam muito mais prevalentes mais tarde no anime. Esperançosamente, esse equilíbrio entre precisão e originalidade continuará na quase confirmada segunda temporada.


One Piece da Netflix já está disponível para transmissão.

Fonte: Collider


Por: Camylle Helen


Siga nossas redes sociais e inscreva-se em nosso Canal no Youtube!

Twitter: @realcanalbang

Instagram: @canalbangoriginal

0 comentário

Comentários


bottom of page