Clímax | Crítica

O diretor Gaspar Noé faz uma obra de arte e coloca o espectador aprisionado em um ambiente hostil e não o deixa sair apesar das angústias, dos gritos e das sensações de desespero. O pensamento principal em Clímax é o de despertar de um pesadelo e livrar-se de uma incessante carga de luzes vermelhas, deformando a realidade do ambiente e aumentando todo o terror.

Noé possui apenas seis longas-metragens no currículo, e criou a sua própria identidade, marcada por produções como Irreversível (2002), Viagem Lucinante (2009) e Love (2015). Suas obras possuem o poder de extrair o público do cinema, em alguns casos literalmente, mas principalmente por levá-lo a ter experiências além da sua própria existência e provar sensações e momentos através do clima apresentado na tela e causar uma perturbação devastadora nos pensamentos.

O enredo mostra o inverno francês de 1996, onde uma companhia de dança se instala em um alojamento para ensaiar. Dançarinos de vogue, krump e waack juntam-se para criar uma coreografia que força os limites do corpo e da razão, com cenas filmadas de forma que o público se sinta convidado a entrar na roda para exibir suas capacidades. Após o ensaio, faz-se a comemoração. A sangria é a bebida escolhida, todos começam a conversar entre si. O tempo vai passando e a sensação coletiva de que alguma coisa não está correta começa a assombrá-los. A bebida foi misturada e então começa a investigação para saber quem fez a brincadeira e ao mesmo tempo lidar com os efeitos inconstantes da mistura entre álcool, LSD e o barulho ensurdecedor que permeia o ambiente.

O longa não possui um protagonismo explícito, porém quem mais chega perto disso é a intrigante Selva (Sofia Boutella), que se relaciona com o maior número de personagens da história. Antes do conflito surgir e a trama principal se instalar, os dançarinos são apresentados através de momentos de entrevistas, longos planos de danças e expressões corporais, e através de conversas improvisadas entre os personagens, sobre diversos assuntos, principalmente sexo, uma característica marcante nos filmes de Gaspar Noé.

Climax é muito mais que uma discreta produção francesa e belga de orçamento limitado a um único cenário e atores desconhecidos. É um convite crítico aos costumes e comportamentos diante de situações inesperadas. É uma lição e aprendizagem sobre tolerância e respeito que mostra ao público que ainda, em sua maioria, carrega a marca da hipocrisia. Vale a pena conferir.


Por Moezio Vasconcellos


Siga as nossas redes sociais e inscreva-se em nosso Canal no Youtube! Twitter: @realcanalbang

Instagram: @canalbangoriginal

Facebook: http://facebook.com/canalbangoriginal

  • Twitter Clean
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube
  • Facebook Clean
bannerPropaganda1.jpg

DISCLAIMER

O Canal Bang ​é um portal que tem como objetivo trazer as principais novidades sobre filmes, séries, livros, quadrinhos, games e tudo que envolve a cultura pop. De uma maneira descontraída, inteligente e cheia de carisma, você pode assistir nossos vídeos semanais em nosso canal do Youtube, ouvir nossas críticas e debates polêmicos em nosso podcast, e saber das notícias que envolvem o universo nerd ao vivo em nosso programa na TV MAR (Canal 25 NET) toda Quinta às 12:30. Entretenimento de verdade, você encontra aqui, no maior portal nerd de Alagoas.

PARCEIROS

CinemaParceria.jpg
tvMarParceria.jpg
GazetaParceria.jpg
piticasCinzaSite.jpg
santoAmaro.png

CONTATO

+55 82 3028-6851

Maceió-Alagoas

  • YouTube - Canal Bang
  • Facebook - Canal Bang
  • Instagram - Grey Circle
  • Twitter - Canal Bang

© 2019 Canal Bang - Todos os direitos reservados

Cinema, Cultura e Entretenimento